O que exatamente você quer de mim?

Eu te conheço e sei que você não é assim. Ah, Bem Meu... Você não é feito dessa maldade que pregam por aí, eu sei que não é. Não tem nem dez por cento da cafajestagem que te atribuem em você, eu comprovei isso. Você nem de longe é o último cara que eu deveria ter escolhido, nem eu devia ter ouvido aos conselhos de todos os ditos meus amigos, os ditos seus amigos - Deus sabe que não ouvi, mandei pro inferno as palavras de quem não conhecia a verdade. E da verdade eu sei. A verdade não tem nada do que pensam, mas a verdade dói. Minhas feridas ainda estão abertas, tão recentes... e o ácido continua pingando nela. Eu só não digo que você partiu meu coração - de novo e de novo e mais uma vez - porque ele já estava quebrado. De pedaços pequenos pra pedacinhos bem menores o estrago é pouco. Pouca tá a minha esperança no meio dessa bagunça de sentimentos e razões que, sem que eu percebesse, se instalou aqui. O que eu sei é que agora eu to escrevendo um texto sem parágrafos e muito provavelmente sem sentido nenhum, enquanto me pergunto: O que exatamente você quer de mim?