Em raiva, ou em rima.

da série: textos antigos nunca publicados.

Fade out, e uma tempestade do lado de fora da janela. Cena de cinema, cê precisava de ver. Amanheceu garoando, o céu cinza, a vista embaçada, duas nuvens castanhas carregadas - era chove-não-chove. Tinha Cícero cantando Los Hermanos e tinha Gabito vivendo minha vida em algum universo paralelo e escrevendo sobre ela. 

Eu te quero leve, te quero brisa, te quero laço - mas apertado num abraço, que é pra não soltar fácil. Acredita em mim, que eu te quero muito bem e te cuido direitinho. Olha, cicatriz só volta a latejar se levar pancada de novo, a gente vai ficar calminho, sem fazer movimentos bruscos, tá? Com cuidado, com carinho, devagar... que é pra não calejar o coração. – Foi o que eu te disse, Bem. Tá lembrado? E você disse que eu era um achado – eu lembro.

Foi ali, naquela fala, naquela frase, naquela constatação. "Ela foi um achado", você disse. "É isso", eu pensei. Ele também era um achado. Tudo que era dúvida se esvaiu, se findou. Fazia tempo, meu amor, eu não me permitia ninguém. Que ninguém me despertava uma coisa tão bonita, só que ao mesmo tempo tão doída. E eu odiei tanto ter sido você que me fez sentir assim. É a minha única raiva, believe me.

Se eu der beijinho, passa? E me der inteira na intenção de te fazer ficar? Queria eu que qualquer coisa assim funcionasse agora. Mas. Tempo, né? É sempre tempo a solução.

(...)

Passou. E rimou.


Um ano por amor.

Vagalumes Cegos by Cícero on Grooveshark

O último mês do ano chegou e junto com ele aquela reflexão de clichê de todo fim de ano. Dois mil e doze foi o ano mais diferente que eu já vivi, tudo que aconteceu esse ano nunca tinha me acontecido antes. Nunca mesmo, foi um ano completamente inusitado, o início de um ciclo, talvez. Onze meses depois eu penso que tudo que aconteceu tinha que acontecer, do contrário eu seria uma outra brenda hoje. As pessoas que chegaram, entraram e ficaram... assim tinha que ser. As que chegaram, entraram e saíram... também. Umas voltaram, sejam bem-vindas de novo, sintam-se em casa. Por mais difícil que seja, ainda acredito que por trás de todas as coisas existe um propósito Divino.

Mas esse é aquele momento que só você entende o significado maior por trás de tudo isso... Ninguém vai dizer que foi por amor que você foi racional e pensou "com distância é mais difícil"; Ninguém vai dizer que foi por amor que você insistiu meses e meses na coisa mais incerta e inconstante que existiu; Ninguém vai dizer que foi por amor que você teve tanto medo de machucar que acabou machucando ainda mais; Vão dizer várias coisas, inventar outras maiores ainda... mas você eu sei de mim, você sabe de mim, ele também. Quem tem que saber, sabe.

Amei demais, amaram por mim, sofri mais ainda, sofreram por mim. Foram uns meses cheios de aprendizado, caras quebradas, corações partidos, laços reatados, perdões distribuídos... e, enfim, acredito que ele não poderia estar acabando de uma forma melhor. Renovo, paz e felicidade pra esse restinho de dias que ainda está por vir e um novo ano melhor ainda.