Enquanto isso, lá e cá.

"Odeio despedidas
Mas tudo bem
O dia vai raiar
Pra gente se inventar de novo (...)"
Cícero - Tempo de Pipa


Odeio despedidas. Odeio saber antes de encontrar que vou ter que deixar partir. Odeio essa necessidade de estar perto o tempo todo só por saber que vou ficar longe mais tempo ainda. Eu quero ficar perto sabendo que no outro dia eu posso estar ainda mais. Vê? Tá difícil demais sem ninguém aqui. É ruim demais a distância, Bem, não se engane. 

Doem tanto "os últimos". O último abraço, o último beijo, o último olhar vendo o ônibus partir, a última vez que senti o perfume, a última vez que ouvimos aquela banda tocar, a última vez que esteve aqui. Aqui é a palavra certa, mas não aqui-aqui, aqui-do-meu-lado eu quero dizer - aí do seu também.

Ah, perdoa, vai. Eu tô assim só porque tô sendo contrariada em não poder ter quem eu quero na hora que eu quero. To fazendo birrinha com a vida. Juntei os dedos pra ela cortar. Mas, óh: Eu tô bem demais, viu? Fica bem daí... bem azul.