doismiledoze

E pra 2O12? Prometi que não ia prometer nada. Essas promessas de virada de ano vão embora junto com as sete ondas puladas, só sobra você com os pés sujos de areia. Mas que mal há em querer? É sempre a opção mais despreocupada e é disso que as nossas vidas estão precisando tanto. A minha, principalmente.

Falando em precisar, né? Desatar os nós cegos estão no topo da lista. Laços me bastam. Bonitos e leves. Vou juntando todos na mesma caixinha decorada que estão as lembranças-de-sempre. O cotidiano não cabe em vinteequatro horas, pulsa desajustado, quase transbordando pela noite. Acumulo nasceres e pores-de-sol enquanto a vida acontece.

Não sei, aprendi a ajeitar as coisas de maneira que elas sempre se encaixem em mim. E eu nos outros. Porque às vezes, e só às vezes, percebo que despenco em queda-livre, cheia de ausência, vazia de tudo. Aí eu fecho os olhos e desejo baixinho: eu quero muito azul e alguns vermelhos de paixão. E volta, o dia, as pessoas, as batidas cardíacas aceleradas.

6 comentários:

Jany Pequetita ♥ disse...

Me encantei com suas linhas Flor
Mta sensibilidade
Super seguindo seu blog

Beijoos

Yohana Sanfer disse...

Que palavras lindas, Brenda! Tb acontece assim aqui! bjs

Gislãne Gonçalves disse...

Eu continuo tentando não fazer promessas

:)
beijos

Adna Martins disse...

Como estou feliz com tudo isto:D
Nossa! Nem fazia ideia do tamanho da saudade que eu carregava da tua escrita.

Brenda, pode parecer besta ou sei lá, mas tô emocionada, sabe. Porque é bem assim que quero te ver, acumulando nasceres e pores-do-sol. E que teus desejos ditos em baixa voz, sejam realizados em alta voz, pois quero escutá-los com todo o prazer.

Thays Petters disse...

Janeiro é o mês para ajustar todas as coisas. Guardar o passado na caixinha e tocar o barco, esperando que a vida nos traga boas alegrias e dias cheios de surpresas!:*

Vanessa disse...

Ah, Brenda linda! Adorei o post, para variar. Eu também não faço mais promessas para o ano novo, apenas desejo e me esforço para ajustar as coisas. Mas no fundinho, sempre acreditamos que quando um ano se inicia, tudo aquilo que não está bem, ficará muito melhor, não é? Sempre haverá esperança e é assim que tem que ser!

Beijos carinhosos.