Eco

Aquele medo de viver sozinha,
sozinha,
só.
[Meu Bem - O Círculo]

Eu tenho esse medo de que um dia a gente ache a tristeza normal, sabe? A dor, por maior que ela seja, a ferida, por mais que venha a arder, elas não podem ser suficientes para tal acomodação. Perigoso isso de abraçar tudo o que o vento traz consigo. Sempre vem poeira e ciscos que machucam os olhos junto.

A brisa eu sinto, leve, suave, refrescante. Adoro quando ela passa. Mas não basta. O que eu preciso mesmo é de uma alegria palpável, me entende? Isso mesmo que você pensou: uma alegria materializada em gente, que eu possa tocar o rosto, afagar os cabelos, abraçar até cansar. Deus sabe o quanto eu quero e espero por isso.

Antes esse fosse um lado meu que nem todos conheciam ou conheceriam, mas eu grito out loud pra quem quiser ouvir. Parece que quanto mais eu grito, mais eu afundo no poço escuro e frio, mais a minha voz soa como eco, mais quem ouve pensa "é coisa da minha cabeça".

7 comentários:

Luana H. disse...

Posso contar um segredo?
Eu também morro de medo de acostumar com a tristeza.

Desejo uma ''felicidade palpável'' bem linda pra vc.

Um beeeeeijo.
=)

Maria Fernanda Probst disse...

E quando a dor vem fantasiada de felicidade, comofas?

te querp uma felicidade palpável tão logo pr'ocê.

beijo Bê.

Nara Sales disse...

Perigoso mesmo é quando já nem percebemos que nos acostumamos com a tristeza. Mas, prefiro sempre pensar que tem alguém exterior a mim esperando um sorriso meu.

Que você, eu e todos nós tenhamos uma alegria palpável para a liberdade dos sentidos.

gabs. disse...

oxalá, felicidades palpáveis para nós duas.
e que não seja coisa das nossas cabeças.
amém.

Marcus Paulo disse...

Você transparece uma mistura de Um Par com Samba a Dois, Sapato Novo com Conversa de Botas Batidas. Amor e desilusão, tristeza e felicidade estampadas, bem juntas, em doses grandes. Te leio com os olhos fechados, pois sinto.

Triste.Eco disse...

Perfeito.*

deia.s disse...

Eu juro que vim até aqui pra comentar sobre toda postagem, mas logo no início me deparei com O círculo e tive que falar *o*, que demais.
Nunca tinha visto trecho dele em blog algum, fico bastante feliz.

:)