Urgência

Essa coisa de pessoas que doem na gente pode ser bastante perigosa. Você ama a pessoa tantotantotanto, meu Deus. E numa dessas anoitecidas que o dia dá, esse amor esbarra no limite de você mesma. Não dá pra continuar, é arriscado demais.

O amor mingua. Existe isso? Se é amor, não devia mudar, diminuir, acabar. Não é o que dizem? Mas a verdade é que isso é triste mas acontece, baby. Só sobra o cheiro de madrugada cobrindo a cama. Só lágrimas mornas deixando seu rastro molhado pelas bochechas, só o olhar perdido a procurar o que não está mais ali. Só o mesmo nariz-ruborizado de quando eu choro.

O que eu queria era ser infinita, meu bem. Você me ocuparia inteira, todos os cantos e nunca teria uma bendita parede indicando: O fim de mim. Eu não sabia que pessoas acabavam por dentro, mas na vida tudo tem limite, prazo, validade, esses nomes diferentes uns dos outros que querem todos dizer a mesma coisa: FIM.

Acontece que eu me perdi nas tuas linhas e me preciso de volta. My love is still the same. Devolva-me a mim.

Não me levem a sério. Outro dia eu amanheço cheidiamor de novo e querendo rabiscar essas palavras.

14 comentários:

Mariana Andrade. disse...

acredita: tem certos limites que a gente quebra e não voltam a existir nunca mais.


beijos, bê linda.

Bianca gs. disse...

Pois para mim amor nao tem fim..
no entanto paixão tem!
e as pessoas costumam confundir estes dois sentimentos que são muito diferentes!!!

Beijos fofa

O alvitre disse...

Acho que até acaba, sabe? Esse amor. No fim, só fica o companheirismo, a amizade, aquele outro tipo de amor, o que menos dói na gente?

coffee-break disse...

Acontece... no fim tudo é um ciclo, não é mesmo?!

sindro disse...

Oi Passe lá no meu blog de textos, obrigado, te espero lá.

Pâmela Marques. disse...

Eu acho que fiquei sem palavras, Brenda. É porque é exatamente isso que acontece. De uma hora para outra deixamos de ser e voltamos a ser um só, sem a junção do outro. E uma pergunta que sempre me faço também: se era amor acabou por quê? Talvez porque o amor só existia de um lado, bonita. Então, deixemos que o amor verdadeiro apareça. Cabeça erguida e coração aberto.

Cyntia disse...

O amor tem fim para quem não o rega todos os dias. E infelizmente, na maioria isso não acontece, talvez nem é por falta de qrer, mas pelos impecilias que outras pessoas colocam e nos deixamos levar por eles.

O amor é lindo, mas... dói!!

:)

Visita meu blog.
cyntiarp.blogspot.com

Abraço!!

Ju Fuzetto disse...

Sabe. O amor é aquela fome compulsiva que ataca nas madrugadas sombrias. Aquele arrepio inesperado no meio de uma crise de choro. O amor é esse infinito de cores bordadas à mão. E toda vez que ele aparece ele sorri. Timido. Ás vezes ele se cala. Noutras ele grita. Mas está sempre ali no canto esquerdinho do peito!

lô colares. disse...

não consegue comentar no post mais recente.
mas só vim dizer o de sempre, que adoro todas as suas palavras.

Tays Esquivel disse...

A gente tem mania de escrever sobre amor até quando não quer, não é? É engraçado. Ambos os textos (tanto este quanto o mais recente - no qual não consegui comentar) me fizeram pensar nisso. Amar é bom até quando é ruim, até quando dói. Não dizer que a dor ensina?

Brenda, você é deslumbrante. Assim como um céu cheio de estrelas numa noite vazia preenche todos os cantos, você junto com suas palavras bonitas assumem o controle de todo o sentimento que passa a existir dentro de mim depois da primeira palavra do bonito texto. Meus infinitos parabéns, para alguém que merece tanto que chega a ser pouco.

Marinasv disse...

Belíssimos textos.
Me encontro nessas linhas. Me encanto com as letras.

Parabéns e sucesso!

Fernando Imaregna disse...

Olá Brenda...

Seguindo uma amiga em comum acabei "parando" aqui...gostei demais dos textos...volto com calma no fim de semana para ler tudinho...hum rum...

Querendo me visitar, fique a vontade
Um bjo carinhoso !

http://imaregna.blogspot.com

Tay. disse...

Traduziu aqui, ó. <3

Kérol disse...

Mudou meu domingo/segunda. Obrigada, senhorita Bê, suas palavras são magníficas.