Vida cinematográfica

Não sei vocês, mas eu tenho achado a vida tragicamente engraçada, nesses últimos dias. Farei divagações sobre, mesmo sabendo que vocês não irão entender. Que se dane. Não é pra entender, nunca foi.

Sinto que vivo em um cinema, pulando de sessão em sessão. Ora comédia, ora tragédia, uma pequena pausa no romance, mas logo segue adiante, suspense, drama. Todos os gêneros imagináveis. É divertido, mas seria mais se eu tivesse o controle da situação - só que esse já fugiu das minhas mãos em um dos primeiros capítulos do filme.

É tão trágico que dá vontade de rir com tanta desgraça acontecendo. Tudo isso junto, ao mesmo tempo e sob uma mesma pessoa? Hilário. Sofredora mesmo é a protagonista que fica louca com a troca repentina de roteiros, tentando entender a trama, o que os outros personagens estão pensando e atuar como se soubesse o que está dizendo e fazendo. Uma farsa.

A bagunça está instalada no set de gravação. Ninguém mais sabe o que fazer, nem pra onde ir. Diretor fanfarrão! Se o meu papel fosse da Rainha de Copas, diria: "CORTEM-LHE A CABEÇA!". Mas nem para isso eu sirvo. Calo-me, pois. Não falo mais nada. Papel após papel, cenário após cenário, deixo passar. Espero o dia em que hei de recuperar a dignidade perdida e ser premiada com Oscar.

10 comentários:

Jaci Macedo disse...

Eu vivi o ano inteiro assim, pulando de sessão em sessão. Eu, particularmente, achei horrível. Principalmente sobre não ter controle sobre as coisas. Chegou um momento em que eu começava a rir também. Acho que eu já tinha chorado tanto que as lágrimas acabaram. Só me restava rir mesmo. E muito riso, é desespero.

beijos, coração.

Charlie B. disse...

Altos e baixos, uma risada e termina o ato.

Charlie B.

Felipe Braga disse...

Seu texto, Bê, é uma metáfora.

E eu aprendi que o mais importante é esquecer o roteiro; permitir novos capítulos e novos personagens. Acho que a vida é isto: adaptar o script às novas situações.

Se precisar da minha ajuda, estamos aí. rs

Beijos.

Rolando disse...

Oi moça. Tudo blz? Estive por aqui. Interessante. Gostei. Apareça por lá. Abraços.

Tainá Facó disse...

e quanto esse filme sai nas telinhas? rs

Radar disse...

Tenho achado a vida parecida com um filme de terror, misturada a novela mexicana e um pouco de filmes indianos. Uma droga. Ah, adorei.

Má Midlej disse...

Eu acho que o meu roteirista é bem sacana também, mas é que meu filme é de baixo orçamento e os atores são meia-boa e o diretor dorme durante a execução das cenas. OUTRA COISA QUE EU NOTEI: elas se repetem. kkkk meu filme além de tudo é arranhado.

MAS QUER SABER, a gente tem que aprender a viver assim... rs

anda lindo.

ER.. MEU DEUS, JÁ APARECEU ALGM PRA CONSERTAR ISSO AQUII? ¬¬

thais m. disse...

To te seguindo flor.
Adorei tudo aqui,
lindo , lindo seu blog *-*


beijos!

Camila disse...

gostei muito do blog....
Vivemos é num mundo onde fingir é3 moda,infelizmente.

Marcelo Zaniolo disse...

Sua grossa!
(Haha... To brincando, ok?)

E saiba que acho que entendi.
E saiba, também, que acho que todos nós vivemos um pouco deste pula-pula entre as sessões de um cinema.

Acho que é natural, infelizmente. Até porque, acredito, são os acontecimentos possitivos e negativos que dão contraste a vida, que nos fazem valorizar, lembrar e ter saudade de certos momentos.

Por um lado pode ser triste, mas gostei bastante da sua forma criativa de descrever a vida.

Beeijo ^^