Desconfio

"Agora sei não mais reclama
Pois dores são incapazes
E pobres desses rapazes
Que tentam lhe fazer feliz (...)"
Linda Rosa - Maria Gadu

Dizem que ando meio desconfiada. Cheia de descrença e falta de fé. Falam que pareço que fui perdendo a emoção de sentir, aos poucos. Agora tudo perdeu a graça. Perdeu-se aquele brilho intenso que eu carregava no ohar. A minha suavidade ao falar do amor. Não poetizo mais, não sonho mais. Quase não acredito mais. Perguntam-me para onde foi a doçura do meu abraço. E eu digo que eles estão fazendo birra, lá no cantinho do meu quarto. Andam abatidos, sem querer sair de lá.
E toda essa desconfiança, de onde vem? É que cansei de fantasiar, sabe? Comecei a duvidar desses amores baratos que estão disponíveis por aí. Encontramos facilmente um a cada esquina. Jogados numa mesa de bar, espalhados aos montes pelo bairro. São todos baratos. Decidi que não irei perder tempo com eles. Simplesmente não mais. Juram que é verdadeiro e de qualidade, mas estraga logo no primeiro mês de uso. Ou às vezes, nem funcionam.
E desses amores, eu não quero.Eis a razão de toda a minha desconfiança. Resolvi economizar. Sabe, ir juntando toda a fé, a emoção, a graça, o brilho no olhar, a suavidade, as poesias, os sonhos, a doçura e os abraços. Pa-ci-en-te-men-te. Guardando com carinho, para deixá-los transbordar na hora certa. Aí você vai ver! Vou ter um amor dos bons. Do melhor.


______________

Inspirado em Desconfio de amores, de F. Palma.

19 comentários:

Lara disse...

Eu também sou meio desconfiada com alguns amores que caem no meu caminho. Mas depois de pouco tempo, já dá para perceber que mal funcionam, e é melhor guardar a esperança e esperar por algo muito melhor.

Beijo!

Charlie B. disse...

Um arraso! Quero um amor dos bons, dos melhores, nada de coisa de 1,99, descartável, reciclável, quero tudo de bom, quero amor pra toda vida.

Também fico desconfiado.

Um beijo,

Charlie B.

Stella Rodrigues disse...

*-* Adorei, esta passando da hora de eu começar a desconfiar.

Marcel Hartmann disse...

Depressão, ooooi hahaha brinks (CUIDADO)

Luciana disse...

Pois essa desconfiança é completamente válida. Na hora que o amor transborda é que a gente percebe como valeu a pena cada segundo de desconfiança.

Bonito, Bê!
Beijo.

Luana Gabriela disse...

Bê, senti isso tudo aí que você escreveu. Aliás ainda sinto. Só que confesso que não há muito guardado pra transbordar não.. mas é o sufiente pra me manter viva.

Bjos

gabriela m. disse...

xii. seu coração deu defeito: parou de acreditar.

Inês disse...

Ande meio desligada, não sinta seus pés no chão...

Janete Andrade disse...

desconfio desses amores também. não acredito mais em 'pra sempre', nem em 'eu te amo' dito 5 min dps q vc conhece o cara, cansei de amores banais... :x

;*

Mariane disse...

Brenda...

Encantada com seu cantinhoooo... Estou lhe seguindoo e add vc em meu espaço..quando tiver um tempinho passe lá para conhecer! Bjinhus...

Dandara disse...

desromances só servem pra fazer nascer rancor

Filipe Garcia disse...

Brenda,

é que o amor é diferente pra cada um, assim penso. Uns dizem amar, mas desconhecem o sentido daquela palavra pro outro. Isso que vemos hoje - casais que se trocam, como se troca de figurinhas - não é só falta de amor, é falta de respeito. Respeito pelo outro e por si mesmo. O amor é paciente, não se desespera em encontrar o par perfeito. O amor sabe que esse papo de perfeição não existe. Vale a simplicidade, o toque, o gesto. Vale a beleza de carregar no peito qualquer esperança de que o outro (ou a outra) está também à espera de viver um grande amor.

Beijo!

Erica Ferro disse...

"Pensei que era jóia rara, era bijuteria...♫"
Lembrei dessa música em uma parte do seu texto, pode me matar... HSAUHASUASAS

Olha, depois me conta se tu adquiriste esse amor dos bons.
Beijo.
Fiquei feliz que tenhas visitado minha casa, o Sacudindo Palavras.

Carol DK disse...

foda vei (:

Sylvia Araujo disse...

Lindo, Brenda... o amor é mesmo assim, parece que quanto mais queremos e procuramos, mais ele se esconde. Mas ao invés de economizar "fé, a emoção, a graça, o brilho no olhar, a suavidade, as poesias, os sonhos, a doçura e os abraços", voto em gastar tudinho - consigo mesma. Aí duvido que o amor bom não apareça, feliz por conhecer alguém feliz, e louco pra dividir em dois tudo o que tem de melhor em si.

Meubeijopravocê

H. Steiner' disse...

Como.você.escreve.bem. o-o
impressionei.

além do mais, me identifiquei demais.
o pouco crédito que dou ao amor é por conta das coisas fúteis que acontecem no dia-a-dia mesmo.
mas eu sei não terei um conto de fadas, e sim um conto da vida real :)

e desejo o mesmo pra você ^^

Jaya Magalhães disse...

Brendazinha,

Esse é um dos textos mais doídos, daqui. Porque um coração que economiza amor, para mim, é uma coisa triste.

Eu pensei em te dizer para deixar a poesia solta. Para que você saísse por aí, se gastando. Mas sei que cada um tem seu tempo. E esse tempo é seu. O amor, quando chegar, vai caber lindo em teus cantinhos. Seja ele barato, ou não.

Um beijo, lindona.

João Victor Dutra. disse...

Nem sei o quê dizer.
Mas, muitos aqui de cima já disseram (;
Sucesso.

Ah, seguirei.
^^

M.F. disse...

Acho que também estou ficando meio desconfiada, talvez até meio amarga, depois dos amores capengas que encontrei, viu... Mas talvez seja parte, né? Não sei. Será que amor economizado cria mofo?
Adorei seu blog, dá vontade de ficar por aqui... Beijos.